Benefício será pago pelos condomínios, segundo cláusula da última Convenção Coletiva de Trabalho (data-base em 1º de outubro)

 

A partir de 1º de dezembro deste ano, o trabalhador em edifícios também terá acesso ao BENEFÍCIO ASSISTENCIAL DE PREVENÇAO À SAÚDE (BAPS), que acaba de ser criado e se tornou cláusula integrante da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria assinada entre o Sindifícios (trabalhadores) e o Sindicond (patronal). O acordo vale para a cidade de São Paulo e outras regiões onde atuam esses sindicatos.

O benefício deverá ser concedido por todos os empregadores, independentemente do trabalhador ser sócio do sindicato ou não. Terá direito a usufruir ao BAPS todo trabalhador que não possuir plano de saúde custeado pelo condomínio. Neste primeiro momento, o benefício será apenas ao trabalhador da categoria, não se estendendo, assim, aos dependentes e/ou terceiros. 

O BAPS será um sistema de proteção social, uma forma de medicina preventiva que terá como principal objetivo evitar o desenvolvimento ou agravamento de doenças, melhorando a qualidade de vida dos seus usuários, segundo o sindicato dos trabalhadores. A empresa gestora do benefício será a Vila Velha Saúde Assistencial Preventiva, escolhida por ambas as entidades após avaliação de qualificação profissional e idoneidade. Caberá à mesma encaminhar os trabalhadores as clínicas médicas e efetuar o agendamento das consultas, nas quais cada trabalhador terá acesso a 12 atendimentos anuais em clínico geral e/ou ginecologista. O custo para o condomínio será de R$ 28 reais mensais por trabalhador.

Para o professor Maurício Jovino, diretor do Centro de Capacitação de Síndicos, o benefício que passa ser concedido aos funcionários representa um ônus “suportável” aos condomínios. “Acho a iniciativa positiva. Por outro lado, claro que será um encargo a mais a ser pago pelos condôminos.” Síndicos ouvidos pela ACRESCE manifestaram dúvidas quanto à gestão dos recursos a serem arrecadados por meio do benefício.

O Sindicato dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios de São Paulo – SINDIFÍCIOS – representa zeladores, porteiros, vigias, faxineiros, garagistas, folguistas, manobristas, ascensoristas e demais funcionários da categoria há quase 60 anos. Ao todo, são 300 mil trabalhadores representados na cidade.